Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Nota técnica do Comitê Permanente de Enfrentamento da Pandemia da COVID-19 (CPEC) da Unifesp

Publicado: Quarta, 21 de Setembro de 2022, 09h08 | Última atualização em Quinta, 20 de Outubro de 2022, 10h17 | Acessos: 12956

Avaliação do Cenário Epidemiológico da Covid-19 e Adequação das Medidas de Prevenção

São Paulo, 20 de setembro de 2022

Há dois meses, estamos observando diminuição das notificações de novos casos, redução das internações e mortes por Covid-19 no Brasil e, principalmente, na região metropolitana de São Paulo. A alta cobertura vacinal está sendo fundamental para este cenário epidemiológico. Até o momento, não há notícias da transmissão de novas variantes ou subvariantes da ômicron, além das já descritas. O inverno deste ano está ameno, isso diminui a circulação de vírus respiratórios e de SARS-CoV-2, pois os ambientes ficam mais ventilados e menos aglomerados. É fundamental que todos estejam com as vacinas para Covid-19 em dia, especialmente a quarta dose para todos com mais de 18 anos.

No Hospital São Paulo (HSP) – Unifesp, a taxa de positividade de exames para Covid-19 de pacientes pré-operatórios das cirurgias eletivas está inferior a 10% e, na Unifesp, os trabalhadores de saúde e os alunos com síndrome gripal em 9,5%, no mês de agosto de 2022 com tendência a diminuição nas primeiras semanas de setembro. Em levantamento recente sobre o número de vacinados em todas as dependências da Unifesp, foi verificado em uma amostra de 5.237 trabalhadores e estudantes, que 99% tinham sido vacinados para Covid-19. Casos pontuais de não vacinados estão sendo analisados pelo Comitê de Enfrentamento a Covid-19 da Unifesp. As rematrículas de alunos não vacinados foram suspensas até serem analisados caso a caso.

Diante deste cenário epidemiológico, recomendamos a suspensão da obrigatoriedade do uso de máscara nas salas de aula, dependências dos campi e ambientes externos aos serviços de saúde na Unifesp, tornando o seu uso facultativo. Em locais com serviços de saúde, o uso da máscara continua obrigatório como ambulatórios, todas dependências do Hospital São Paulo, incluindo áreas administrativas, e demais ambientes assistenciais com fluxo de pacientes. Recomendamos que profissionais com mais de 60 anos, portadores de doenças crônicas como diabetes, cardiopatias e doença pulmonar, entre outras, ou em uso de medicações imunossupressoras mantenham o uso de máscara para suas atividades.

O uso da máscara tem grande importância em indivíduos sintomáticos respiratórios, pois bloqueia a excreção de gotículas durante a fala, espirros e tosse. Mantenha o seu uso até a consulta médica. A máscara também deve ser oferecida e seu uso orientado para todos os pacientes internados no HSP-Unifesp, desde que não tenham contraindicação para sua utilização. O uso da máscara também continua obrigatório para acompanhantes e visitantes de pacientes internados ou em seguimento ambulatorial.

Nos restaurantes universitários ou refeitórios serão flexibilizadas as medidas de distanciamento e podemos retornar as taxas de ocupação plena destas áreas.

A lavagem frequente das mãos com água e sabão ou higienização com álcool-gel continuam fundamentais para evitar a contaminação contra agentes infecciosos, incluindo as viroses.

Solicitamos que todos respondam os questionários que estão sendo enviados sobre vacinação e infecção para Covid-19 para mantermos as informações atualizadas para que as medidas orientadas estejam em consonância com nosso cenário epidemiológico.

Comitê Permanente de Enfrentamento da COVID-19 - Unifesp

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
Categoria:

Vírus do passado: descoberta em ossos neandertais pode reescrever a história das pandemias

Estudo liderado pelo Centro de Bioinformática Médica da Unifesp revela vírus ancestrais em restos de...

Departamento de Psicobiologia testa efeito de medicamento na diminuição do desejo por bebidas alcoólicas

Homens entre 18 e 50 anos que residem na cidade de São Paulo podem participar como voluntários

Exame de sangue pode ajudar a prever o risco de apneia obstrutiva do sono

Estudo conduzido por pesquisadores do Instituto do Sono e da Unifesp revela que as concentrações...

Fim do conteúdo da página