Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Microcefalia em prole infectada por zika pode ser devida à baixa atividade enzimática, revela estudo

Publicado: Quinta, 19 de Outubro de 2023, 17h11 | Acessos: 6206

Esta evidência poderá, no futuro, ser utilizada como um biomarcador para o diagnóstico precoce da síndrome congênita associada à infecção

Ouça acima o conteúdo deste artigo.

Estudo conduzido em colaboração entre a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) revela que camundongos infectados pelo vírus zika durante a gestação e que desenvolveram microcefalia exibiram menor atividade de uma enzima conhecida como Ndel1, Essa enzima desempenha papel importante nos processos de proliferação, diferenciação e migração dos neurônios durante o desenvolvimento embrionário.

A pesquisa foi coordenada por Mirian Hayashi, professora do Departamento de Farmacologia da Escola Paulista (EPM) da Unifesp, com coautoria  de João Victor Silva Nani, doutorando do Programa de Pós-graduação em Farmacologia da EPM e bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Os resultados dessa descoberta, já patenteada, apoiada pela Fapesp, também apontaram efeitos positivos do tratamento com o interferon-beta, um fármaco utilizado tratar esclerose múltipla e testado em animais infectados pelo zika. Nos experimentos com camundongos, o medicamento evitou problemas no desenvolvimento neuronal e restaurou a atividade da enzima Ndel1 a níveis similares aos de roedores não infectados.

A equipe de pesquisadores, liderada pela epemista e por Patrícia Garcez na UFRJ, analisou a atividade da enzima Ndel1 em animais infectados pelo vírus zika. Utilizando um modelo experimental desenvolvido pelos pesquisadores da UFRJ, eles conseguiram correlacionar a infecção com a atividade enzimática e a ação do interferon-beta em diferentes fases do desenvolvimento embrionário, proporcionando conhecimentos importantes sobre os riscos de distúrbios do neurodesenvolvimento.

 

atividade da enzima Ndel1

 

A equipe analisou a atividade da enzima Ndel1 em animais infectados pelo vírus zika (imagem: João Nani/Criado com BioRender.com)

 

A infecção pelo vírus zika durante a gestação é conhecida por causar uma variedade de malformações na prole, incluindo a microcefalia. No entanto, é importante notar que diversos fatores diferente podem resultar em microcefalia ou em outros danos cerebrais durante a gravidez, incluindo aqueles desencadeados por infecções como toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes simples, entre outras.

A enzima Ndel1 tem sido objeto de intensa pesquisa, especialmente deviso à sua relevância no desenvolvimento neurológico e em condições como esquizofrenia e depressão. Isso se deve ao seu papel na formação de complexos no citoesqueleto intracelular dos neurônios e na regulação dos processos fundamentais de proliferação, diferenciação e migração dos neurônios durante a embriogênese, que desempenham um papel crucial para a formação do cérebro.

 

O estudo Assessing the role of Ndel1 oligopeptidase activity in congenital Zika syndrome: Potential predictor of congenital syndrome endophenotype and treatment response pode ser lido em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/jnc.15918.

 

*Com informações da Agência Fapesp

 

 

 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Categoria:

Vírus do passado: descoberta em ossos neandertais pode reescrever a história das pandemias

Estudo liderado pelo Centro de Bioinformática Médica da Unifesp revela vírus ancestrais em restos de...

Departamento de Psicobiologia testa efeito de medicamento na diminuição do desejo por bebidas alcoólicas

Homens entre 18 e 50 anos que residem na cidade de São Paulo podem participar como voluntários

Exame de sangue pode ajudar a prever o risco de apneia obstrutiva do sono

Estudo conduzido por pesquisadores do Instituto do Sono e da Unifesp revela que as concentrações...

Fim do conteúdo da página