Ir direto para menu de acessibilidade.

SEI!  |  WEBMAIL | INTRANET

Início do conteúdo da página

Esperança e orgulho epemista

Publicado: Segunda, 17 de Maio de 2021, 13h49 | Acessos: 10121
imagem sem descrição.

88 anos da Escola Paulista de Medicina

Ao iniciarmos as comemorações dos 88 anos de nossa querida Escola Paulista de Medicina (EPM) inúmeros pensamentos vem à mente neste momento ímpar, onde enfrentamos um dos maiores desafios da humanidade, mister se faz registrar alguns aspectos relevantes.

Inicio salientando o imenso orgulho pelo desempenho de nossa Escola / Hospital e, portanto, do nosso coletivo no enfrentamento desta pandemia.

Desde os primeiros dias, quando faltavam equipamentos de proteção individual (EPIs) e o conhecimento do comportamento do vírus era incipiente, a EPM se organizou e não sucumbiu. Surgiu um movimento voluntário composto por alunos, funcionários e docentes que buscou o apoio da sociedade civil. Esse movimento recebeu o amplo apoio de pessoas e de empresas que reconheceram a importância e excelência do trabalho realizado por nosso Hospital São Paulo e foi graças a esse acolhimento pela sociedade que recebemos apoio financeiro e emocional, permitindo que devolvessemos um atendimento digno para a nossa população.

Interagimos com as comunidades e com associações de moradores de rua das proximidades de nossa Escola, parte mais vulnerável da população, e com isso evitamos um contingente maior de casos que, sem dúvida, sobrecarregaria ainda mais o nosso hospital.

Vários programas de apoio aos nossos alunos e colaboradores foram implementados dentro do Voluntariado e do Projeto Semear, um exemplo de solidariedade e comprometimento de nossos alunos, funcionários e docentes. No momento temos, dentro do projeto Semear, cerca de 120 docentes envolvidos como tutores individuais dos alunos dos cursos do Campus São Paulo.

Como uma forma de reconhecimento pelo desempenho durante esses meses desafiadores, nossa Escola Paulista de Medicina foi recentemente agraciada com a Salva de Prata, a maior honraria possível ofertada pela Câmara Municipal de São Paulo para uma Instituição.

Sem negar as dificuldades e os possíveis pontos a serem melhorados, sintam o maior orgulho pela nossa Instituição, pelos nossos Funcionários, nossos Alunos e nossos Professores, um time fantástico e que não se acovardou num momento crítico e perigoso, eles honram a história da nossa Escola. Não me lembro de um momento no qual tenha sentido maior orgulho de ser brasileiro e pertencer a essa querida Escola Paulista de Medicina.

Há muito ainda a ser vivido e escrito, mas prevalece o forte sentimento de esperança. Devemos nos manter vigilantes e não permitir que discursos de Intolerância, Discriminação e Preconceitos contaminem esse momento, pois evoluem inexoravelmente para, como vários exemplos da história humana, Genocídios. Esse malfadado vírus está nos mostrando que não tem como sobrepuja-lo sozinho, ou saímos todos juntos ou ninguém sairá. Que prevaleçam os sentimentos de Solidariedade, Acolhimento e Fraternidade.

Que venha o Tracatrá da Esperança, do Infinito, da União e da Vacina.

girao

Manoel João Batista Castello Girão

Diretor da Escola Paulista de Medicina

Universidade Federal de São Paulo

 

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
Categoria:

"Colinho Meu": alunas e professoras da EPE lançam livro sobre a importância do colo

Obra infantil ilustra as necessidades de acolhimento no primeiro ano de vida do bebê

Neurologista Acary Bulle recebe Troféu Coruja de Ouro

Premiação ocorreu no dia 3 de setembro

Sepse: O que é e por que ela precisa de um dia mundial?

Reconhecimento precoce e tratamento adequado salvam vidas

Prevenção ao Suicídio: Criando esperança por meio da ação

Acolher, ouvir e não julgar são maneiras de prevenção

Fim do conteúdo da página