Ir direto para menu de acessibilidade.

SEI!  |  WEBMAIL | INTRANET

Campus SP > Últimas Notícias > 8 de agosto é Dia Nacional de Combate ao Colesterol
Início do conteúdo da página

8 de agosto é Dia Nacional de Combate ao Colesterol

Publicado: Sexta, 07 de Agosto de 2020, 23h08 | Última atualização em Sábado, 08 de Agosto de 2020, 10h47

Cardiologistas da EPM/Unifesp reforçam importância dos cuidados preventivos

O colesterol alto pode trazer inúmeros riscos para a saúde, entre eles o desenvolvimento de doenças isquêmicas. Para conscientizar a população sobre a importância da prevenção de doenças cardiovasculares, foi criado em 2003, o Dia Nacional de Combate ao Colesterol, comemorado em 8 de agosto.

A equipe do Setor de Lípides, Aterosclerose e Biologia Vascular da Escola Paulista de Medicina da Universidade Federal de São Paulo (EPM/Unifesp), Henrique Bianco, Maria Cristina Izar, Francisco Helfenstein, esclarece algumas das principais dúvidas sobre o colesterol. Confira:

O que é colesterol?

A rigor, o colesterol é um composto químico do grupo dos álcoois. Tem a textura e a aparência de uma cera gordurosa. Apesar da péssima fama, o colesterol é essencial ao organismo, pois está presente na estrutura de todas as células, forma ácidos biliares que atuam na digestão e faz parte da composição dos hormônios e de algumas vitaminas, notadamente a vitamina D. Por ser insolúvel em meio aquoso, como nosso sangue, ele é transportado por lipoproteínas, que são medidas e expressas por sua densidade (relação entre massa e volume).

Composição e diferentes tipos de colesterol

O colesterol é só um, o que varia é seu meio de transporte. A carona, bem como o destino, depende das lipoproteínas, que são conglomerados protéicos, gorduras e outras substâncias. Elas podem ser de alta ou de baixa densidade, dependendo da composição, e têm funções diferentes. 

LDL colesterol: O colesterol contido nas chamadas lipoproteínas de baixa densidade é chamado de LDL (do inglês low density lipoprotein). O LDL leva o colesterol para as nossas células e, em excesso, pode se depositar nas paredes das artérias, formando placas que aumentam o risco de infarto e derrame, processo conhecido como aterosclerose.  É por isso que o LDL é o vilão da história, o "mau colesterol", e seu nível deve ser mantido baixo.

HDL colesterol: Quem tira o colesterol das células, para ser eliminado, são as lipoproteínas de alta densidade, ou HDL (do inglês high density lipoprotein). Ele é o mocinho, pois ajuda a evitar o entupimento das artérias, por isso é bom que esteja alto.

Ergotron MoveMore LDL HDL

Fonte: JustStand.org

 

Grande parte da fabricação do colesterol acontece no fígado. Desta feita, o colesterol é, então, liberado na corrente sanguínea e distribuído para os tecidos, onde pode ser utilizado ou armazenado no tecido adiposo, a camada de gordura que temos abaixo da pele. As lipoproteínas de baixa densidade são capturadas por receptores no interior das células, e aí o colesterol livre é depositado. Já as partículas de HDL são formadas não só no fígado, como também no intestino e na circulação.

Fatores de risco

História familiar: as dislipidemias [presença de níveis elevados de lipídios (gorduras) no sangue] podem ter origem genética e serem herdadas de pais para filhos. É a chamada hipercolesterolemia familiar, condição que raramente pode ser tratada apenas com mudanças no estilo de vida. Vários genes já foram associados à esta condição.

Sedentarismo: a atividade física ajuda a "queimar" o colesterol ruim (LDL) e a aumentar o bom (HDL).

Dieta inadequada: excesso de gorduras e carboidratos, somado à quantidade insuficiente de fibras e alimentos antioxidantes, pode causar aumento do colesterol ruim. Uma vez diagnosticado, o tratamento do colesterol elevado deve ser imediatamente iniciado, com adoção de mudanças no estilo de vida e, se necessário, uso de medicamentos.

Como é o tratamento?

As estatinas são as medicações mais seguras e importantes no controle do colesterol. Inibem a produção de colesterol no fígado (a maior fonte de colesterol no organismo) e aumentam a remoção do colesterol ruim do sangue pelo fígado, diminuindo o nível de colesterol total [é a análise total do colesterol no corpo, sem considerar as frações]. Elas também ajudam a reduzir o teor de gordura no sangue, além de melhorar a elasticidade das artérias. O tratamento adequado com a medicação, associado à mudança do estilo de vida com atividade física e dieta, é fundamental nos casos de hipercolesterolemia. 

 

 Para diminuir o colesterol ruim...   Para aumentar o colesterol bom...
  • Pratique exercícios físicos;
  • Tenha uma  aimentação saúdavel;
  • Consulte um médico, pode ser necessário tomar medicamentos para normalizar
  •  Pratique exercícios físicos de alta intensidade;
  • Aumente o consumo de abacate, nozes, soja, aveia, frutas e legumes;
  • Se estiver acima do peso ideial, perca peso, especialmente se tiver muita gordura abdominal

 

No dia Nacional de Combate ao Colesterol reforçamos que em todos os dias, precisamos estar atentos aos cuidados necessários para que não haja consequências mais sérias, decorrentes desta doença.

 

Henrique Tria Bianco - médico cardiologista; Maria Cristina Izar - professora da Disciplina de Cardiologia da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp), Francisco Helfenstein - professor da Disciplina de Cardiologia da EPM/Unifesp e coordenador do Setor de Lípides, Aterosclerose e Biologia Vascular.

Categoria:

Fim do conteúdo da página