Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > Últimas Notícias > Dia Mundial da Imunização
Início do conteúdo da página

Dia Mundial da Imunização

Publicado: Segunda, 29 de Junho de 2020, 17h06 | Última atualização em Segunda, 29 de Junho de 2020, 17h09

Por Hugo Fernandes

A pandemia de coronavírus trouxe à tona problemas estruturais, econômicos, sociais e principalmente sanitários de todos os países, especialmente daqueles em desenvolvimento. Com ela retomaram as reflexões sobre a importância da imunização como meio de prevenção de doenças. A Covid-19 talvez nos tenha trazido como reflexão que as vacinas não são inimigas da humanidade, ao contrário. E que movimentos contra a imunização podem ser altamente perigosos para a Saúde Pública. Além disso, a valorização da pesquisa e da ciência, ora desprezadas por alguns, traz a esperança do encontro breve de vacinas que ajudem no enfrentamento dessa enfermidade.

O que é imunização?

Celebrado em 9 de junho, o Dia Nacional da Imunização tem por objetivo conscientizar as pessoas sobre a importância das vacinas para prevenir doenças. A imunização é o ato ou efeito de despertar no organismo uma resposta contra um agente, habitualmente infeccioso, fazendo com que um ou mais doenças não se instalem naquela pessoa. A principal forma de se despertar tal resposta é por meio da aplicação de vacinas, ou a vacinação.

O que é vacina?

A palavra vacina deriva do latim e significa “vaca”. Em 1798 o termo foi utilizado pela primeira vez, quando em meio a uma epidemia de varíola o médico e cientista Edward Jenner notou que as ordenhadoras de vacas de um pequeno vilarejo pareciam estar imunes à doença, isso porque – devido ao contato constante com os animais – as ordenhadoras acabavam por adquirir a varíola bovina. Concluindo que a varíola bovina trazia certa imunidade aos humanos, Jenner injetou os dois tipos de vírus em um garoto do mesmo vilarejo e este teve a doença de uma forma branda, o que possibilitou que o cientista iniciasse os estudos neste campo. Assim surgiu a primeira vacina.

A vacina é uma preparação que pode conter partículas de agentes infecciosos, o agente morto, atenuado ou inativado (sem capacidade de causar doenças) que quando aplicada desencadeia uma resposta imunológica que gerará uma “imunidade ativa”, fazendo com que o corpo consiga se defender, caso tenha contato com o micro-organismo.

Hoje, as vacinas são quase todas profiláticas (evitam doenças), mas também podem ser terapêuticas em alguns casos (contra o câncer por exemplo, que ainda estão sendo pesquisadas).

A importância de se manter imunizad@

A imunização é importante em todos os momentos do ciclo da vida de uma pessoa. Porém, nos extremos de idade, durante a gestação e em determinadas profissões (como as da saúde), a vacinação é ainda mais relevante para evitar doenças e complicações.

As autoridades de saúde envolvidas no planejamento de ações de imunização sempre precisam fazer mapeamentos detalhados do impacto de campanhas vacinais sobre a epidemiologia de determinadas doenças em curto, médio e longo prazo; avaliar criteriosamente os riscos e benefícios da administração de determinado imunobiológico, para evitar efeitos adversos e custos à saúde. Por fim, sempre devem se manter atentas para os índices de imunização, mesmo em casos de enfermidades que estejam aparentemente erradicadas.

A eficiência da imunização depende de alguns fatores, como:

  • A predisposição genética e individual (algumas pessoas não conseguem produzir anticorpos, mesmo após a vacinação);
  • O seguimento correto do calendário vacinal;
  • De fatores ambientais (a maioria das vacinas não suporta temperaturas muito altas ou muito baixas, podendo perder sua capacidade de despertar resposta imunológica se acondicionadas de forma inadequada);
  • O tipo de cepas (grupo de agentes infeciosos com pequenas diferenciações morfológicas ou fisiológicas)

O Brasil tem hoje uma das melhores políticas de imunização do mundo, contemplando várias vacinas contra doenças (virais ou não-virais) que asseguram mais chances de enfrentamento de epidemias. Mas cabe à população a adesão correta ao calendário vacinal. Só com colaboração de todos(as) conseguiremos reduzir enfermidades que infelizmente ainda matam, deixam sequelas ou comprometem a qualidade de vida individual e coletiva.

Estima-se que milhões de vidas são salvas anualmente pelo simples fato de as pessoas tomarem as vacinas conforme as recomendações e campanhas.

Prof. Hugo Fernandes

Hugo Fernandes

Enfermeiro. Pós doutor em ciências pela Universidade Federal de São Paulo - Unifesp. Infectologista, Epidemiologista e Sanitarista. Docente da Escola Paulista de Enfermagem (EPE), Unifesp. Coordenador da Câmara de Extensão e do Observatório Institucional de Enfermagem da EPE. Membro da diretoria da Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn), seção São Paulo.

http://lattes.cnpq.br/4848621119107833

Serviço

Departamento de Saúde Coletiva
Escola Paulista de Enfermagem
Rua Napoleão de Barros, 754 - Vila Clementino

Referências

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Vigilância em Saúde. Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. Manual de Normas e Procedimentos para Vacinação / Ministério da Saúde, Secretaria de Vigilância em Saúde, Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis. – Brasília : Ministério da Saúde, 2014.

Oliveira Valéria Conceição de, Gallardo Maria Del Pilar Serrano, Cavalcante Ricardo Bezerra, Arcêncio Ricardo Alexandre, Pinto Ione Carvalho. Weaknesses of vaccine storage in Primary Healthcare Centers. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2015 Abr [citado 2020 Jun 25] ; 68( 2 ): 291-296. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-71672015000200291&lng=pt. https://doi.org/10.1590/0034-7167.2015680215i.

Oliveira Valéria Conceição de, Guimarães Eliete Albano de A., Guimarães Inês Alcione, Januário Letícia Helena, Ponto Ione Carvalho. Prática da enfermagem na conservação de vacinas. Acta paul. enferm. [Internet]. 2009 Dez [citado 2020 Jun 25] ; 22( 6 ): 814-818. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-21002009000600014&lng=pt. https://doi.org/10.1590/S0103-21002009000600014

Silva Brener Santos, Souza Kátia Cristina de, Souza Ronimara Gonçalves de, Rodrigues Samuel Barroso, Oliveira Valéria Conceição de, Guimarães Eliete Albano de Azevedo. Condições de estrutura e processo na implantação do Sistema de Informação de Imunização do Brasil. Rev. Bras. Enferm. [Internet]. 2020 [citado 2020 Jun 25] ; 73( 4):e20180939.Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S003471672020000400162&lng=pt. Epub 01-Jun-2020. https://doi.org/10.1590/0034-7167-2018-0939.

Stern AM, Markel H. The History Of Vaccines And Immunization: Familiar Patterns, New Challenges. HEALTH AFFAIRS. 2005, 24(3):611-21. DOI:
https://doi.org/10.1377/hlthaff.24.3.611

Categoria:

Fim do conteúdo da página