Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > NOTÍCIAS > Doenças Raras: conhecimento é o primeiro passo para inclusão
Início do conteúdo da página

Doenças Raras: conhecimento é o primeiro passo para inclusão

Publicado: Sexta, 26 de Fevereiro de 2021, 15h50 | Acessos: 30093

Afetam até 65 pessoas a cada 100 mil indivíduos

sbem 645 x 430 11O Dia das Doenças Raras ocorre no  último dia de fevereiro de cada anoO principal objetivo da data é  sensibilizar o público em geral e os decisores políticos, autoridades públicas, representantes da indústria, pesquisadores, profissionais de saúde e qualquer pessoa que tenha um interesse genuíno em doenças raras. No Brasil, a data foi instituída pela Lei nº 13.693/2018.

 

A celebração

No dia 29 de fevereiro de 2008, a Organização Europeia de Doenças Raras (Eurordis) definiu a data como o Dia Mundial das Doenças Raras, justamente por se tratar de um momento com muita visibilidade. Nos outros anos, comemora-se no dia 28 de fevereiro. Esse marco nasceu, então, com o objetivo de conscientizar a população e também os órgãos públicos sobre as dificuldades que os pacientes enfrentam no dia a dia.

 

O que é uma doença rara?

Considera-se doença rara aquela que afeta até 65 pessoas em cada grupo de 100.000 indivíduos, ou seja, 1,3 pessoas para cada 2.000 indivíduos. O número exato de doenças raras não é conhecido, mas estima-se que existam entre 6.000 a 8.000 tipos diferentes de doenças raras em todo o mundo.

As doenças raras são caracterizadas por uma ampla diversidade de sinais e sintomas e variam não só de doença para doença, mas também de pessoa para pessoa acometida pela mesma condição. Manifestações relativamente frequentes podem simular doenças comuns, dificultando o seu diagnóstico, causando elevado sofrimento clínico e psicossocial aos afetados, bem como para suas famílias.

 

Infográfico Doenças raras

(Crédito: Nupad/UFMG)

 

Diagnóstico, Protocolos e Tratamentos

Desde 2014, o Brasil adota a Política Nacional de Atenção Integral às Pessoas com Doenças Raras - Lei que regulamenta a rede de atendimento para prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação.

Cerca de 80% das Doenças Raras são decorrentes de fatores genéticos, enquanto os outros 20% advêm de causas ambientais, infecciosas e imunológicas. Em geral são crônicas, progressivas, degenerativas e podem levar à morte. No entanto, um tratamento adequado é capaz de reduzir complicações e sintomas, assim como impedir o agravamento e evolução da doença.

Atualmente, existem 36 Protocolos de Tratamento, que orientam médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e demais profissionais de saúde sobre como realizar o diagnóstico, o tratamento e a reabilitação dos pacientes, bem como a assistência farmacêutica no Sistema Único de Saúde (SUS).

Segundo o Ministério da Saúde, o SUS disponibiliza atendimentos para prevenção, diagnóstico, tratamento e reabilitação de pessoas com doenças raras, além de tratamento dos sintomas. Dentro da regulamentação, o SUS incorporou 19 exames de diagnóstico.

 

Exemplos de Doenças Raras

 

Fontes: 

Ministério da Saúde e Muitos Somos Raros 

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
Categoria:

Docente da EPM/Unifesp será a primeira mulher a presidir a Academia Brasileira de Ciências

Em seus 105 anos de existência que uma mulher ocupa a presidência da Academia

Periódico destaca artigo do grupo de pesquisa do Prof. Dr. Omar Mertins

Material saiu na capa do Journal of Colloid and Interface Science

Periódico destaca artigo de doutorando do Departamento de Biofísica

Material saiu na contracapa do Soft Matter da Royal Society of Chemistry

Fim do conteúdo da página