Ir direto para menu de acessibilidade.
Página inicial > NOTÍCIAS > Graduandos(as) do Campus São Paulo estimulam a visão crítica sobre a ciência introduzindo jovens e crianças na metodologia científica
Início do conteúdo da página

Graduandos(as) do Campus São Paulo estimulam a visão crítica sobre a ciência introduzindo jovens e crianças na metodologia científica

Publicado: Segunda, 23 de Janeiro de 2023, 16h18 | Acessos: 2837

Projeto extensionista integra o programa Estratégias em Extensão do PET Tecnologias em Saúde da Unifesp

Por Paula Garcia

Ouça acima o conteúdo deste artigo.

Estudantes estão de costas para a câmera observando as peças expostas no laboratório. Um docente da Unifesp está na frente deles explicando sobre elas.
Visita dos(as) estudantes e docentes da E.E. Brasilio Machado ao Museu e Laboratório de Anatomia da Unifesp

 

Ações de iniciação à ciência em escolas do ensino fundamental e médio compõem um projeto extensionista que integra o programa Estratégias em Extensão, do PET Tecnologias em Saúde da Unifesp, sendo uma das atividades desenvolvidas pelo grupo que faz parte do Programa de Educação Tutorial (PET) do Ministério da Educação (MEC).

Seu objetivo é a realização de atividades articuladas entre ensino, pesquisa e extensão por estudantes dos cursos de graduação do Campus São Paulo. Atualmente, a tutoria dos trabalhos é realizada pelo professor Marcelo Freitas, com a co-tutoria da professora Raquel Santos Marques de Carvalho e a colaboração do técnico-administrativo Marcelo Mariano, todos do Departamento de Biofísica da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) – Campus São Paulo.

Desde 2017, o PET Tecnologias em Saúde vem desenvolvendo atividades em estreita parceria com o Núcleo de Educação Infantil (NEI/Unifesp), a Escola Paulistinha de Educação, e, mais recentemente, com a Escola de Ensino Médio Brasilio Machado. “A proposta é trabalhar com crianças e jovens uma visão ampliada sobre o fazer ciência e a figura do(a) cientista, introduzindo a experimentação e a metodologia científica como estratégias motivadoras”, define Freitas.

 

Sala de aula da escola Paulistinha, bem colorida, com as crianças sentadas na carteira prestando atenção na explicação das graduandas do PET Saúde.
As ações são realizadas com crianças do 1º ao 5º ano por mais de 12 estudantes do PET Tecnologias em Saúde, com a colaboração dos(as) professores(as) e da coordenação da Paulistinha. Foto: NEI Paulistinha - Mostra Cultural 2022

 

No NEI Paulistinha, as atividades envolvem discussões acerca do que é ser cientista e do fazer ciência, desmistificando a figura do(a) cientista e realizando experimentos com materiais de baixo custo, além de discutir e relacionar os objetivos do desenvolvimento sustentável (ODS) aos conteúdos curriculares. Jogos de tabuleiro e kits de robótica também são empregados como estímulos ao interesse e curiosidade das crianças, auxiliando na formulação de hipóteses e na busca de soluções de problemas do dia a dia baseadas na metodologia científica.

 

Três meninas estão sentadas no chão, com uniforme verde e branco da Paulistinha, jogando um jogo de tabuleiro. A foto foi tirada de cima.
Crianças do 2º ano jogando Reversi. Foto: NEI Paulistinha - Mostra Cultural 2022

 

Já na E.E. Brasilio Machado, as ações visam aproximar os(as) jovens da universidade, por meio de visitas aos laboratórios de pesquisa e museus da Unifesp, apresentação dos cursos de graduação oferecidos e discussões sobre o fazer ciência no Brasil e a sua relação com as profissões e o mercado de trabalho. Os(as) jovens estudantes ainda podem realizar iniciação científica por meio do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica para o Ensino Médio (Pibic-EM), associando a aprendizagem da metodologia científica ao desenvolvimento de projetos de pesquisa.

 

estudantes_brasilio_machado_visitam_unifesp.jpg
Estudantes e docentes da E.E. Brasilio Machado, junto com o grupo do PET Tecnologias em Saúde, após visita ao Museu e Laboratório de Anatomia da Unifesp

 

“O projeto desenvolvido, em ambas as escolas, contribui para a divulgação científica e tem se mostrado como uma estratégia importante para propagar na sociedade o conhecimento embasado na ciência, tanto entre os(as) estudantes e professores(as) participantes do projeto, como entre seus familiares. Dessa maneira, espera-se que o projeto contribua para o combate à desinformação e para a divulgação de ciência para o público em geral. Os resultados obtidos nas atividades têm ampliado a visão das crianças e jovens a respeito da importância da ciência e da universidade pública para a sociedade, e tem contribuído para o letramento científico de todos(as) os(as) envolvidos(as)”, finaliza o coordenador.

 

Três estudantes do ensino médio estão em uma sala com computadores fazendo um experimento com aparelhos e eletrônicos.
Estudantes da E.E. Brasilio Machado trabalhando em seus projetos de pesquisa

 

Fonte: DCI/Unifesp

 

 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Categoria:

Animais e a pandemia de COVID-19. Qual o envolvimento deles?

A pandemia de COVID-19 ficará marcada como um dos eventos mais desafiadores e complexos da...

Uso da telessaúde como estratégia para a melhoria dos sistemas de saúde público e privado

Confira como a tecnologia pode contribuir com a realidade da saúde no Brasil. 

Mãos de enfermeiro estudando no notebook

Tecnologia educacional digital para a gestão de cuidados

Para nós do Departamento de Informática em Saúde – DIS, a informação é o principal objeto de nossa área...

Exame_de_Covid19
Fonte: Fiocruz Imagens

Coronavírus: a Ameaça (Des)conhecida

Coronavírus: A Ameaça (Des)Conhecida Em 2002, a província chinesa de Guangdong, no sul da China,...

Fim do conteúdo da página