Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Ambulatório de Prematuros

Publicado: Quarta, 14 de Outubro de 2020, 17h35 | Última atualização em Terça, 20 de Outubro de 2020, 13h26

Diante do cenário da prematuridade no país, o aprimoramento das unidades neonatais e dos serviços especializados para o acompanhamento de prematuros após a alta hospitalar, ao lado da formação de médicos e de outros profissionais que atuem nessas áreas, são fundamentais para a melhoria da qualidade da saúde no Brasil, ressaltando-se que existe uma carência enorme desses profissionais especializados no país todo. Além disso, o apoio social às famílias é essencial para proporcionar melhores condições de saúde e qualidade de vida para as crianças e adolescentes nascidos prematuros.

Nesse sentido, a Disciplina de Pediatria Neonatal desempenha atividades nas áreas de graduação, residência médica, pós-graduação e extensão, contribuindo de forma expressiva para a formação de médicos pediatras e neonatologistas, bem como de médicos de outras especialidades e de outros profissionais nas áreas de pediatria e neonatologia, entre eles enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos, psicólogos, odontologistas, nutricionistas e assistentes sociais. Procura manter qualidade técnico-científica elevada em todas as atividades que desenvolve, buscando atingir um nível de qualidade internacional nas áreas de assistência, ensino e pesquisa.

O Ambulatório de Prematuros da EPM/Unifesp é um centro especializado no acompanhamento de prematuros que foi criado em 1981 com o objetivo de prestar assistência multiprofissional a crianças nascidas prematuras, desde a alta hospitalar até o fim da adolescência, buscando promover seu crescimento e desenvolvimento. O Ambulatório é considerado um modelo de assistência ao prematuro no país, apresentando características especiais que o distinguem – acompanhamento multiprofissional altamente especializado até o início da vida adulta, com todos os profissionais atuando no mesmo local. O Ambulatório de Prematuros está localizado num imóvel na Rua Doutor Diogo de Faria, 764.

O atendimento no Ambulatório de Prematuros da UNIFESP é realizado, rotineiramente, por profissionais de diversos segmentos da área da saúde, tais como pediatra, neurologista infantil, oftalmologista, fisiatra, fonoaudiólogo, fisioterapeuta, odontologista, psicólogo, neuropsicólogo, assistente social, nutricionista e dermatologista. Esse acompanhamento é fundamental porque prematuros, particularmente de muito baixo peso ao nascer, apresentam maior risco de sequelas que podem ser evitadas ou minimizadas quando tratadas precocemente. Entre as mais frequentes estão as deficiências: motoras (12%), visuais (10%), auditivas (6%), de linguagem (21%), além de alterações de comportamento como déficit de atenção e hiperatividade (20%) e transtorno do espectro do autismo (6%). Também têm maior risco de dificuldade escolar, déficits de funções executivas e de transtornos psiquiátricos como depressão e até mesmo esquizofrenia. Além disso, os prematuros, em geral, apresentam com maior frequência déficits de crescimento, anemia, doenças gastrointestinais e respiratórias. Atuar de forma precoce, nesses casos, faz toda a diferença.

Para estimular o vínculo das famílias com o Ambulatório de Prematuros e a integração entre os profissionais que prestam assistência, todos os atendimentos são realizados na Casa do Prematuro. Essa proximidade propicia melhor conhecimento e cuidado dos pacientes, e maior evolução técnico-científica dos profissionais. O Ambulatório dispõe de 9 salas, sendo 3 delas para atendimento multidisciplinar (pediatria, neurologia, dermatologia), uma sala para oftalmologia, uma sala compartilhada pela nutricionista e assistente social, além de uma sala para cada uma das seguintes categorias profissionais – fisioterapia, odontologia, psicologia e fonoaudiologia. O local tem manutenção constante para oferecer um ambiente adequado e agradável de trabalho e de acolhimento das famílias, e as obras no imóvel são patrocinadas pelo Instituto do Prematuro - Viver e Sorrir, ONG que apoia as atividades desenvolvidas pela Disciplina de Pediatria Neonatal.

As equipes do Ambulatório de Prematuros estão assim constituídas:

  • Pediatria – 14 profissionais contratados pela Unifesp ou SPDM que trabalham 1 ou 2 períodos no ambulatório e o restante da carga horária em outros setores. Além do atendimento, os pediatras fazem supervisão das consultas dos médicos residentes.
  • Neurologia – 1 profissional contratada pela SPDM que realiza consultas e supervisiona o atendimento dos médicos residentes.
  • Oftalmologia – 1 médico residente do Programa do Departamento de Oftalmologia.
  • Dermatologia – 2 médicas voluntárias.
  • Fisiatria – 1 médica voluntária
  • Fisioterapia – 1 profissional voluntária e 1 profissional contratado pela SPDM que, além do atendimento, supervisiona os fisioterapeutas do programa de residência. Na pós-graduação, 1 fisioterapeuta está desenvolvendo sua tese de doutorado.
  • Fonoaudiologia – os profissionais de fonoaudiologia atuam em 3 setores.
  • Audiologia – 1 docente do Departamento de Fonoaudiologia que presta atendimento e supervisiona os alunos de graduação.
  • Linguagem – 1 docente da Disciplina dos Distúrbios da Comunicação Humana do Departamento de Fonoaudiologia e 1 profissional do quadro técnico-administrativo da Unifesp, que prestam atendimento e supervisionam os alunos de graduação e os 4 alunos de pós-graduação.
  • Motricidade oral – 2 fonoaudiólogas voluntárias
  • Odontologia – 11 dentistas voluntários e 2 pós-graduandos, que atuam em diversas especialidades da odontologia.
  • Psicologia – 5 psicólogas, todas voluntárias.
  • Nutrição – 1 profissional contratada pela SPDM, que coordena e orienta o Programa de Nutrição da Residência Multiprofissional em Saúde da Criança e do Adolescente da Unifesp.
  • Serviço Social – 1 profissional contratada pela SPDM
  • Neuropsicologia - 7 profissionais que avaliam os prematuros entre 6 e 7 anos de idade com o objetivo de identificar possíveis alterações relacionadas ao desempenho escolar

No Ambulatório são atendidos os prematuros com idade gestacional inferior a 34 semanas nascidos no Hospital São Paulo, no Hospital Municipal Vereador José Storopolli e no Hospital Estadual de Diadema. Uma parcela expressiva dessa população tem problemas econômicos e sociais graves, que podem agravar os déficits de crescimento e desenvolvimento associados à prematuridade. Em 2017, 60 novas crianças foram admitidas no Ambulatório de Prematuros, sendo 26 do Hospital São Paulo, 23 do Hospital Estadual de Diadema e 11 do Hospital Municipal Vereador José Storopolli. Nesse mesmo ano, estão em acompanhamento no ambulatório 1095 pacientes. O número de atendimentos realizados pelos diversos profissionais encontra-se abaixo.

Pediatria - 2144

Neurologia - 394

Oftalmologia - 290

Dermatologia - 102

Fisioterapia - 2130

Odontologia - 1343

Nutrição - 724

Fonoaudiologia - 389

Psicologia - 318

Neuropsicologia - 25

Assistência Social - 99

Total - 7958

Em 2017, o Ambulatório de Prematuros recebeu, em sistema de rodízio: 24 médicos residentes de primeiro ano do Departamento de Pediatria, 12 de primeiro ano (R3) e 12 de segundo ano (R4) da Pediatria Neonatal; 8 médicos residentes do Departamento de Neurologia e Neurocirurgia da EPM/Unifesp e 8 residentes de fisioterapia e 8 de nutrição do Programa de Residência Multiprofissional em Saúde da Criança e do Adolescente da Unifesp. Com relação ao ensino da graduação, recebeu 8 alunos no setor de audiologia e 4 no setor de linguagem. Uma aluna do sexto ano de medicina da EPM fez seu estágio opcional no Ambulatório de Prematuros.

No ano de 2017, o Ambulatório de Prematuros recebeu 2 alunos de graduação de outras instituições pelo programa de mobilidade acadêmica e 15 médicos residentes em pediatria e 2 médicos residentes em neonatologia, vindos de vários Estados – São Paulo - Capital (5), São Paulo - Interior (9), Fortaleza (2), Goiás (1), Pará (1) e Pernambuco (1). Nesse estágio opcional, os alunos e residentes também fazem rodízio nas unidades neonatais do Hospital São Paulo e do Hospital Estadual de Diadema.

Produção Científica

Nos itens abaixo estão apresentadas as pesquisas desenvolvidas no Ambulatório de Prematuros e divulgadas em 2017, além das pesquisas em andamento.

Artigos publicados em periódicos indexados

    1. Sabino AT, Souza E, Goulart AL, Lima AM, Sass N. High blood pressure during pregnancy is not a protective factor for preterm infants with very loww birth weight. A case-control study. Rev Bras Ginecol Obstet 2017;39:155-61.
    2. Dinelli MI, Ono E, Viana PO, dos Santos AMN, de Moraes-Pinto MI. Growth of children born to renal transplanted women. European Journal of Pediatrics 2017;176:1201-7.
    3. da Cunha DHF, de Moraes MA, Benjamin MR, dos Santos AMN. Percepção da qualidade de vida e fatores associados aos escores de qualidade em uma escola de medicina. Jornal Brasileiro de Psiquiatria 2017;66:189-96.

Trabalhos apresentados e publicados em anais de congressos

    1. PS IM, Takaoka LAV, Kopelman BI, Goulart AL, Vieira SMCPAC. Preparação do esmalte fluorótico pré tratamento ortodôntico em pacientes pré-termos. 2017.
    2. Vieira SMCPAC, CHMM S, Takaoka LAV, Kopelman BI, Goulart AL. Impacto da prematuridade nas medidas cefalométricas relativas a base de crânio na adolescência: estudo descritivo. 2017.
    3. Afrange EAC. Casseb RS, Goulart AL. Repercussões Psíquicas da Prematuridade. 2017.

Teses Defendidas - Doutorado

    1. Ana Sílvia Scavacini Marinonio. Relação entre alteração torácica musculoesquelética e prova de função pulmonar em lactentes nascidos prematuros e com muito baixo peso. 2017. Orientador: Amelia Miyashiro Nunes dos Santos.
    2. Fabiana da Silva Dias de Andrade. Análise comparativa da coordenação motora grossa entre escolares obesos/sobrepeso e eutróficos de 6 a 9 anos de idade. 2017. Orientador: Amelia Miyashiro Nunes dos Santos.

Teses Defendidas - Mestrado

    1. Rozane Lapolli Sanz Casseb. Qualidade de vida de adolescentes nascidos prematuros. 2017. Orientador: Amelia Miyashiro Nunes dos Santos.
    2. Martha Luisa Antunes Garcia Mendes. Avaliação do desenvolvimento de prematuros de 18 a 24 meses de idade corrigida por meio das escalas Bayley III. 2017. Orientador: Amelia Miyashiro Nunes dos Santos.
    3. Ana Luíza Monteiro Mendes Martins. Perfil neuropsicológico de uma população de adolescentes nascidos prematuros com muito baixo peso. 2017. Coorientador: Amelia Miyashiro Nunes dos Santos.
    4. Fabricia Signorelli. Avaliação da saúde mental, sinais de transtornos do Espectro Autista e comportamentos adaptativos em prematuros de muito baixo peso atualmente aos 4 a 5 anos de idade. Coorientador: Ana Lucia Goulart

Pesquisas em Andamento - Pós-doutorado

    1. Relação entre preferência visual de crianças nascidas prematuras por figuras sociais ou não sociais submetidas a rastreamento ocular e pontuação no M-CHAT. Vivian Lederman

Pesquisas em Andamento - Doutorado

    1. Estudo sobre prevalência de defeitos do esmalte na dentição mista e/ou permanente em adolescentes nascidos a termo e pré-termo – Stella Maria Pinto Alves Campos Vieira
    2. Evolução longitudinal da função pulmonar em escolares nascidos prematuros - Ana Damaris Gonzaga
    3. Conteúdo, Densidade e Composição Mineral Óssea em Crianças Nascidas Prematuras com Peso Menor que 1500 g – Adriana Martins Lima

Pesquisas em Andamento - Mestrado

    1. Prevalência de Distúrbios Gastrointestinais Funcionais em Lactentes que Nasceram Prematuros – Marcela Montenegro

Pesquisas em Andamento – Iniciação Científica

    1. Crescimento de prematuros com peso ao nascer menor que 2000 gramas na adolescência – Julia Izepe
Categoria:

Tem início a V Semana do Servidor Público 2020 com ações conjuntas

Evento virtual acontece de 26 a 30 de outubro 

Dia Nacional de Luta pelos Direitos das Pessoas com Doenças Falciformes

Crises de dor afetam pacientes com a doença hereditária

Cursos da Unifesp avançam no Enade e alcançam nota máxima

Sete graduações receberam o conceito máximo (5)

A importância da Semana Nacional de Prevenção da Violência na Primeira Infância

Pais e profissionais de saúde devem estar alertas

Fim do conteúdo da página