Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Madre Marie Domineuc - sua vida e suas obras constituem exemplo de sublime amor ao próximo

Publicado: Segunda, 29 de Agosto de 2022, 12h34 | Última atualização em Segunda, 10 de Outubro de 2022, 16h55 | Acessos: 46719

Seu lema era nunca recusar ninguém que precisasse de auxílio

Ouça acima o conteúdo deste artigo.

madre marieMadre Marie Domineuc, nome religioso de Jeanne Josephine Roquet, nasceu na Bretanha, França, em 15 de novembro de 1911. Com 18 anos entrou para a Congregação das Franciscanas Missionárias de Maria, em Chatelet, na França. Graduou-se pela Escola de Enfermagem da Liga contra a Tuberculose, em Paris, recebendo o diploma de enfermeira e assistente médico-social, em 1932. Nessa mesma cidade fez, em 1933, um outro curso que lhe deu os títulos de visitadora de higiene social e enfermeira de puericultura.

Foi enviada para o Brasil em 13 de outubro de 1935, aos 23 anos, onde fez a Profissão de Fé. Na cidade de São Paulo começou sua vida profissional do Dispensário de Puericultura da Liga das Senhoras Católicas. Foi aí que a encontrou o Prof. Álvaro Guimarães Filho, na época vice-diretor da Escola Paulista de Medicina (EPM) e que estava procurando uma enfermeira para dirigir a Escola de Enfermagem que essa Instituição desejava criar junto ao Hospital São Paulo (HSP).

Dos entendimentos entre Guimarães Filho, o Arcebispo de São Paulo Dom José Gaspar de Afonseca e Silva e a Congregação das Franciscanas Missionárias de Maria resultaram dois fatos de grande importância: a colaboração desta última ao HSP e a criação, instalação e manutenção da Escola de Enfermeiras desse hospital, autorizada a funcionar no dia 4 de outubro de 1938. Madre Domineuc, por ser estrangeira, não pode assumir oficialmente sua direção, mas sempre esteve à frente de suas atividades e sua influência junto às alunas foi acentuada e marcante. Criado o curso de enfermagem obstétrica, por iniciativa ainda do Prof. Guimarães Filho, Madre Domineuc por ele se diplomou, em 1952.

 

Madre Domineuc Lemos Torres

Grupo de alunas e enfermeiras do Hospital São Paulo em companhia do Prof. Lemos Torres. Na 1ª fila da esquerda para a direita: Adele Salvatore, Madre Domineuc, Prof. Lemos Torres, Silvia Romero e Juliana Schmidtke; na 2ª fila: Adalgiza de Oliveira, Aurea Vieira da Cruz, Ecléa Sanches, Romilda Cerqueira do Amaral Filha e Jacyra  Cintra  Monteiro. (Crédito: CeHFi/Unifesp)

 

Amparo Maternal

Estimulada pelo verdadeiro espírito franciscano, sua vida e suas obras constituem exemplo de sublime amor ao próximo, traduzido no serviço desinteressado à maternidade e à infância desvalidas.

 

A partir de sua atuação na Clínica Obstétrica do Hospital São Paulo nasce sua maior obra, o Amparo Maternal, uma instituição que, desde 20 de agosto de 1939 até os dias atuais, presta assistência social e de saúde às mulheres no período gravídico puerperal. Sua vida confunde-se com a história dessa Instituição.

Gerações de enfermeiras, a maioria formada pelas escolas de São Paulo, incluindo a Universidade de São Paulo (USP), foram beneficiadas com estágio de enfermagem obstétrica no Amparo Maternal, onde aprenderam muito com seus professores, mas muito mais com o exemplo da Madre.

 

contrução amparo

Foram 11 longos e sofridos anos até que a obra ficasse pronta. A incansável madre Marie Domineuc — que se mudou com as albergadas para o local durante a construção — enfrentou a falta de recursos, o atraso das obras e, ainda, os preconceitos. Até que, em 1954, o prédio foi inaugurado pelo então governador Adhemar de Barros, embora só tenha ficado totalmente pronto em 1964. (Fonte: Estação Saber)

 

Atuação destacada

A filosofia assistencial de “não recusar ninguém”, acolhendo mães, sobretudo, aquelas sem moradia e as não aceitas socialmente, levou-a a ser incompreendida por muitos, amada e respeitada, por outros.

 

Madre Domineuc contribuiu na formação de várias gerações de enfermeiras obstétricas. Foi idealizadora do Congresso Brasileiro de Enfermagem e sua participação sempre foi de forma contundente, gerando discussões acirradas.

Nas décadas 1950 e 1960, participou em Comissões da Associação Brasileira de Enfermagem (ABEn), como as de Legislação, Assistência e Proteção à Maternidade e Infância, em especial, nos debates obstinados sobre os currículos de enfermagem e da obstetrícia, o preparo e o exercício profissional da enfermeira obstétrica e da obstetriz.

 

Fonte: Valle, J. R. - A Escola Paulista de Medicina - Dados Comemorativos de seu 40º Aniversário (1933-1973) e Anotações Recentes - Empresa Gráfica da Revista dos Tribunais, 1977. 

 

Este artigo faz parte do "Memórias do Campus São Paulo" - clique aqui para acessar outras postagens e conhecer este projeto.

 

 

 

 

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
Categoria:

Vírus do passado: descoberta em ossos neandertais pode reescrever a história das pandemias

Estudo liderado pelo Centro de Bioinformática Médica da Unifesp revela vírus ancestrais em restos de...

Departamento de Psicobiologia testa efeito de medicamento na diminuição do desejo por bebidas alcoólicas

Homens entre 18 e 50 anos que residem na cidade de São Paulo podem participar como voluntários

Exame de sangue pode ajudar a prever o risco de apneia obstrutiva do sono

Estudo conduzido por pesquisadores do Instituto do Sono e da Unifesp revela que as concentrações...

Fim do conteúdo da página