Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Microcefalia em prole infectada por zika pode ser devida à baixa atividade enzimática, revela estudo

Publicado: Quinta, 19 de Outubro de 2023, 17h11 | Acessos: 4816

Esta evidência poderá, no futuro, ser utilizada como um biomarcador para o diagnóstico precoce da síndrome congênita associada à infecção

Ouça acima o conteúdo deste artigo.

Estudo conduzido em colaboração entre a Universidade Federal de São Paulo (Unifesp) e a Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ) revela que camundongos infectados pelo vírus zika durante a gestação e que desenvolveram microcefalia exibiram menor atividade de uma enzima conhecida como Ndel1, Essa enzima desempenha papel importante nos processos de proliferação, diferenciação e migração dos neurônios durante o desenvolvimento embrionário.

A pesquisa foi coordenada por Mirian Hayashi, professora do Departamento de Farmacologia da Escola Paulista (EPM) da Unifesp, com coautoria  de João Victor Silva Nani, doutorando do Programa de Pós-graduação em Farmacologia da EPM e bolsista da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp). Os resultados dessa descoberta, já patenteada, apoiada pela Fapesp, também apontaram efeitos positivos do tratamento com o interferon-beta, um fármaco utilizado tratar esclerose múltipla e testado em animais infectados pelo zika. Nos experimentos com camundongos, o medicamento evitou problemas no desenvolvimento neuronal e restaurou a atividade da enzima Ndel1 a níveis similares aos de roedores não infectados.

A equipe de pesquisadores, liderada pela epemista e por Patrícia Garcez na UFRJ, analisou a atividade da enzima Ndel1 em animais infectados pelo vírus zika. Utilizando um modelo experimental desenvolvido pelos pesquisadores da UFRJ, eles conseguiram correlacionar a infecção com a atividade enzimática e a ação do interferon-beta em diferentes fases do desenvolvimento embrionário, proporcionando conhecimentos importantes sobre os riscos de distúrbios do neurodesenvolvimento.

 

atividade da enzima Ndel1

 

A equipe analisou a atividade da enzima Ndel1 em animais infectados pelo vírus zika (imagem: João Nani/Criado com BioRender.com)

 

A infecção pelo vírus zika durante a gestação é conhecida por causar uma variedade de malformações na prole, incluindo a microcefalia. No entanto, é importante notar que diversos fatores diferente podem resultar em microcefalia ou em outros danos cerebrais durante a gravidez, incluindo aqueles desencadeados por infecções como toxoplasmose, rubéola, citomegalovírus e herpes simples, entre outras.

A enzima Ndel1 tem sido objeto de intensa pesquisa, especialmente deviso à sua relevância no desenvolvimento neurológico e em condições como esquizofrenia e depressão. Isso se deve ao seu papel na formação de complexos no citoesqueleto intracelular dos neurônios e na regulação dos processos fundamentais de proliferação, diferenciação e migração dos neurônios durante a embriogênese, que desempenham um papel crucial para a formação do cérebro.

 

O estudo Assessing the role of Ndel1 oligopeptidase activity in congenital Zika syndrome: Potential predictor of congenital syndrome endophenotype and treatment response pode ser lido em: https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/jnc.15918.

 

*Com informações da Agência Fapesp

 

 

 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Categoria:

Alto consumo de frutose pelos pais eleva risco de doenças cardiometabólicas nos filhos, aponta estudo

Agência FAPESP* –Luciana Constantino | Agência FAPESP – Filhos de pais que consomem frutose em...

Descobertos dois novos peptídeos com potencial biotecnológico em serpentes peçonhentas brasileiras

Agência FAPESP* –André Julião | Agência FAPESP – Os venenos dos animais que ocorrem no Brasil...

Se não pode vencê-los, junte-se a eles

A relação entre retrovírus e seus hospedeiros

Fim do conteúdo da página