Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Mural "Introdução Pictórica à Medicina Experimental no Brasil"

Publicado: Segunda, 12 de Setembro de 2022, 14h26 | Última atualização em Quinta, 29 de Setembro de 2022, 18h16 | Acessos: 21204

Um dos símbolos da Escola Paulista de Medicina

Ouça acima o conteúdo deste artigo.

O saguão de entrada do então edifício dos Laboratórios de Farmacologia e Bioquímica, atual Edifício José Leal Prado, localizado na Rua Botucatu, 862, foi o local escolhido pelo Conselho Técnico Administrativo da Escola Paulista de Medicina (EPM), durante a reunião ordinária ocorrida em 20 de junho de 1956. 

O mural intitulado como "Introdução Pictórica à Medicina Experimental no Brasil" de autoria de Pietro Nerici, pintor italiano radicado no Brasil, possui 6,10 metros de comprimento por 3,80 metros de altura e foi executado conforme a velha técnica dos afrescos em que se empregam óxidos metálicos coloridos de mistura com pó de mármore e argamassa. 

As cenas foram sugeridas e transmitidas ao pintor pelos docentes dos Laboratórios de Farmacologia e Bioquímica, sob a coordenação de José Ribeiro do Valle, 1º catedrático de Farmacologia e professor Emérito da EPM.

 

Além da criação artística...

Enquanto sobreviver a Escola Paulista de Medicina, terão os nossos alunos nesse mural a oportunidade de gravarem noções que, ligadas ao passado, traduzem no campo da medicina o anseio de progresso inadiável do Brasil no concerto das nações civilizadas.

Detalhes sobre  a execução do mural, segundo José Ribeiro do Valle:

"Aprovada a ideia de um mural que aduzisse episódios da história da medicina mais ligados a nós latinos e brasileiros, passamos, Paiva, Nerici e eu, a imaginar as cenas e consultar livros e monografias. Além da pura criação artística, algumas cenas eram calcadas de figuras conhecidas. Assim, a que representa Hales medindo a pressão arterial carotidiana da égua foi sugerida de uma gravura do livro de Bettmann e Hench (O. L. Bettmann e P. S. Hench, A Pictorial History of Medicine, Springfield, Charles C. Thomas, 1956, p. 199) e a de Lavoisier e sua esposa, da gravura do livro de Holmyard (E. J. Holmyard, Chemistry to the Time of Dalton, Londres, Oxford University Press, 1925, p. 107). Na época em que foi pintado o mural ainda não conhecíamos o retrato de Couty que aparece sem a barba nazarena. O pintor não deixou de se representar como Oswaldo Cruz; a figura do cirurgião é a de um dos nossos assistentes, entre as crianças vêm-se representados filhos dos professores de farmacologia e de bioquímica. Barbosa Rodrigues, Lavoisier e as respectivas esposas podem ser tomados ainda como alusão ao fato de que vários casais trabalham nestes Laboratórios.

Isto constituiu para todos nós exemplo de que vale colocar a alma inteira na concretização de um plano fiel e pacientemente elaborado. Diz o pintor que seu trabalho resistirá ao tempo, enquanto permanecerem de pé as paredes do edifício."

 

mural no leal prado

 Durante três meses, Pietro Nerici trabalhou com dedicação e entusiasmo na execução deste mural. (Imagem: Andréa Pelogi/ComunicaSP)

 

 

Assim descreveu José Ribeiro do Valle:

"Começaremos a nossa descrição pelo canto inferior esquerdo, onde três figuras de primeira grandeza da medicina brasileira – Oswaldo Cruz, Adolfo Lutz e Gaspar Viana – surgem de Manguinhos, reconhecível pela sua cúpula mourisca. Ao lado, outro instituto de linhas modernas revela ao observador a influência indutora da célula mater, responsável pela maioria dos centros de pesquisa biológica existentes no nosso país.

O papel desempenhado pelo Instituto Oswaldo Cruz no terreno da saúde pública é calcado na cena de crianças brincando ao ar livre. Aquela vilazinha pendurada no morro lembra a origem de muitos que aqui trabalham e que na sua infância, sem preconceitos de cor, brincaram com arco, jogaram bola de panos ou empinaram papagaio. 

À esquerda, em cima, Lacerda e Couty estudam efeitos de plantas. João Baptista de Lacerda (1846-1915) foi o fundador do primeiro laboratório de fisiologia existente no Brasil, e Louis Couty (1854-1884), aluno de Vulpian, um dos primeiros a estudar, entre nós, os efeitos do café. Ambos acompanham o registro gráfico da pressão arterial do cão. Foi escolhido de propósito o assunto, dada a natureza dos trabalhos experimentais aqui realizados. De um lado, aspectos microscópicos do rim e de lesões renais encontradas, por exemplo, na hipertensão arterial experimental hormonal e, de outro lado, numa lembrança histórica, Stephen Hales (1677-1761) determinando pela primeira vez, experimentalmente, a pressão arterial carotidiana num equídeo

À direita, em cima, Lavoisier (1743-1794), assistido pela esposa a redigir o protocolo das observações, estuda as trocas respiratórias, numa antevisão do que significam hoje para a clínica médica e a semiologia as modernas técnicas da bioquímica. Mais à direita, cortes e desenhos mostram a importância da endocrinologia. No alto, a representação esquemática da adeno-hipófise com seus três tipos celulares, a secreção de gonadotropinas, o endométrio, as gônadas, a genitália, a lactação e a gestação. Mais à direita, o aparelho tiroparatiroidiano e, à esquerda, o galo normal e o capão dentro do ovoide testicular. Inferiormente, o timoneiro lembra o ciclo dos navegantes portugueses, o perigo do escorbuto e o alcance da vitaminologia. As nossas frutas ricas em ácido ascórbico, o pombo com beribéri e a representação de cristais de tiamina chamam de novo a atenção para o papel das vitaminas. Terminando a volta do painel, como se tivéssemos seguido a marcha dos ponteiros de um relógio, a obtenção do curare pelos índios do Amazonas e o consequente emprego dos bloqueadores ganglionares em cirurgia a reviver a senda da farmacologia desde o uso primitivo até o emprego racional e científico de novos medicamentos.

O estudo das plantas, inclusive medicinais, feito pelos naturalistas que correram os nossos sertões e que tantas lições nos legaram, vem lembrado na figura de Barbosa Rodrigues (1842-1909) e de sua esposa quando, em missão do governo imperial, exploraram o vale do Amazonas. Junto às palmeiras, o ramo de café e dentro do hexágono a esquematização da tecnologia industrial, sugestivos da potência e das realizações paulistas. No centro do mural o hexágono do benzeno – símbolo da química dos organismos – reúne todos esses episódios das ciências fisiológicas e da nossa medicina. Finalmente, a dominar todo o painel, a figura austera de Claude Bernard (1813-1878), lídimo representante do espírito latino e fundador da medicina experimental. A seu lado, a esquematização da fórmula da glicose, do glicogênio no fígado e do ciclo de aproveitamento energético dos hidratos de carbono."

 

 

Fonte: Ribeiro do Valle, José – Descrição do Mural “Introdução Pictórica à Medicina Experimental no Brasil” em “O Bíceps”, nº 27, pp. 40-41, 1962 

 

Este artigo faz parte do "Memórias do Campus São Paulo" - clique aqui para acessar outras postagens e conhecer este projeto.

 

 

 

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
Categoria:

Vírus do passado: descoberta em ossos neandertais pode reescrever a história das pandemias

Estudo liderado pelo Centro de Bioinformática Médica da Unifesp revela vírus ancestrais em restos de...

Departamento de Psicobiologia testa efeito de medicamento na diminuição do desejo por bebidas alcoólicas

Homens entre 18 e 50 anos que residem na cidade de São Paulo podem participar como voluntários

Exame de sangue pode ajudar a prever o risco de apneia obstrutiva do sono

Estudo conduzido por pesquisadores do Instituto do Sono e da Unifesp revela que as concentrações...

Fim do conteúdo da página