Ir direto para menu de acessibilidade.

SEI!  |  WEBMAIL | INTRANET

Início do conteúdo da página

Vamos falar de saúde e qualidade de vida?

Publicado: Terça, 06 de Abril de 2021, 00h08 | Acessos: 19582

Dia Nacional de Mobilização pela Promoção da Saúde e Qualidade de Vida

Você sabia que hoje, dia 06 de abril, é comemorado o Dia Nacional de Mobilização pela Promoção da Saúde e Qualidade de Vida? Essa data tem o objetivo de diminuir a parcela de pessoas em situações de risco devido a maus hábitos na rotina. 

Promoção ou promoções da saúde?1

A provocativa indagação traz a ideia de que a promoção da saúde pode ser analisada a partir de diferentes abordagens. É um campo que permanece em construção e convive com uma pluralidade de concepções e práticas. Com a finalidade de reforçar um conceito mais amplo de promoção da saúde, o ponto de partida é questionar a ideia de que suas práticas se limitem a identificar os efeitos nocivos de determinados comportamentos e hábitos, e, assim, atuar sobre os indivíduos mais expostos ao risco, normatizando seus estilos de vida.

Não é incomum na prática em saúde o pensamento de que, quando um ‘desvio’ aparece, basta educar as pessoas, pois a inteligência, a ciência e a razão seriam suficientes para corrigir essas ‘irregularidades’. O raciocínio que está por trás é o de que, a partir de um diagnóstico da situação – o que as pessoas desconhecem ou conhecem erroneamente –, teríamos o tratamento: o conteúdo, as técnicas e os métodos educativos persuasivos necessários para corrigir a conduta. A não adesão às normas e condutas preconizadas se deveria à ignorância e à falta de informação.

 

culpabilização

Culpabilização. (Crédito: Catalysis)

 

Esse e outros tantos exemplos, como os de ações contra o sedentarismo ou em favor de uma alimentação mais saudável, poderiam, também, ser citados por seguirem esta mesma lógica: focalizar o fazer (intervir) na aquisição das informações científicas e na transformação dos comportamentos dos indivíduos.

Se tomarmos como exemplo o tabagismo – cujo uso está associado à incidência de câncer e doenças cardiovasculares, evidência científica aceita por vários trabalhos científicos –, a despeito das inúmeras campanhas sanitárias de aconselhamento e controle, persistem comportamentos inalterados de pessoas que, mesmo obtendo informações sobre suas implicações nocivas, ainda assim, continuam fumando. 

Reforçam-se, assim, discursos e práticas que objetivam delegar cada vez mais aos sujeitos e grupos sociais específicos a tarefa de cuidarem de si mesmos. Isso poderia ser positivo apenas se não estivesse acompanhado de uma desresponsabilização do Estado na oferta das condições para esse cuidado e se considerasse, de fato, as escolhas dos sujeitos.

Isso faz pensar que não basta conhecer o funcionamento das doenças e eleger mecanismos para o seu controle, supondo haver apenas falta de conhecimento das informações técnico-científicas adequadas. Percebe-se, também, que lidamos com temas complexos e singulares, como a saúde e a vida, relacionados amplamente com o contexto social, a cultura e com as subjetividades, cuja magnitude as evidências científicas parecem não alcançar.

 

Promoção da saúde para melhoria da qualidade da vida

Trazemos aqui aportes que direcionam as práticas promotoras da saúde a outra perspectiva, para o incremento ou melhoria da vida com qualidade. Assim, a promoção da saúde:

  1. Informa-se em uma concepção ampla do processo saúde-doença e sua determinação social;

  2. Pressupõe uma combinação de ações em rede, desenvolvidas de forma conjunta por diferentes setores do governo e da sociedade civil, tendo em vista a melhoria das condições de vida e saúde;

  3. Toma como referência um conjunto de valores pelos quais se deve lutar na direção de uma sociedade mais justa e solidária;

  4. Expressa-se em diferentes campos de intervenção que incluem: a esfera individual no processo de desenvolvimento de capacidade e fortalecimento da autonomia dos sujeitos da ação; a esfera coletiva na construção da universalização dos direitos com equidade; a esfera institucional na transformação da cultura da gestão e de sua intervenção em formato intersetorial;

  5. Pressupõe duas dimensões operativas: no campo da intersetorialidade para além do campo restrito da saúde, tomando como centralidade a determinação social da saúde e da qualidade de vida, e no campo da intrasetorialidade, no interior do setor da saúde, combinando conhecimentos e práticas interdisciplinares afeitas ao setor.

saude analisePromover a saúde é promover a qualidade de vida. (Crédito: Sou + SUS)

 

Promover saúde é defender a vida!2

A partir dessa assertiva queremos reforçar a ideia de que a promoção da saúde é um compartilhamento de possibilidades para que todos e todas possam viver seus potenciais de forma plena. É perceber a interdependência entre indivíduos, organizações e grupos populacionais e os conflitos decorrentes desta interação. É reconhecer que a cooperação, a solidariedade, como práticas sociais correntes entre sujeitos, precisam ser, urgentemente, resgatadas. Promover a saúde é uma imposição das circunstâncias atuais que apontam para a necessidade imperiosa de novos caminhos éticos para a sociedade.

 

cooperacao e mais vantajosa do que individualismo

Cooperação e solidariedade são mais vantajosas do que o individualismo. (Crédito: Google)

 

Na atual conjuntura de crise brasileira, caracterizada pelos efeitos devastadores ao enfrentamento da pandemia do novo coronavírus abrem-se possibilidades concretas que faz ressurgir nos discursos e nas práticas promotoras de saúde certa consciência da garantia dos direitos universais, dentre eles a defesa da vida. E esta talvez seja a maior das advocacias do campo da promoção da saúde, apoiando a mobilização permanente contra os retrocessos da esfera pública e lutando por novos projetos societários, mais inclusivos e coletivos.

 

Referências

  1. MENDES, R.; FERNANDEZ, J. C. A.; SACARDO, D. Promoção da saúde e participação: abordagens e indagações. Saúde em Debate, 40, p. 190-203, 2016.
  2. FRANCESCHINI, M. C. , ANDRADE, E.A. ; MENDES, R.; AKERMAN, M.; ANDRADE, D. R.; LICO, M.F.C. Information, control and health promotion in the Brazilian context of the pandemic. Health Promotion International. Article Doi: 10.1093/heapro/daab032. May 2021.

 

rosilda

Por Rosilda Mendes

Professora do Instituto de Saúde e Sociedade, da Universidade Federal de São Paulo (ISS/Unifesp) - Campus Baixada Santista. Docente do Programa de Mestrado Profissional em Rede Saúde da Família (PROFSAUDE) e do Programa de Pós-Graduação em Serviço Social e Políticas Sociais da Unifesp.  É coordenadora do Centro de Estudos, Pesquisa e Documentação em Cidades Saudáveis (CEPEDOC Cidades Saudáveis) - Centro Colaborador da Organização Mundial da Saúde (OMS). Outras informações, clique aqui

 

 

 

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
Categoria:

Os 40 anos do HIV/Aids

A luta contra o HIV é um desafio diário

Doação de corpos: um manifesto em vida para o progresso da ciência

Veja como doar seu corpo pode lhe dar uma segunda vida e salvar outras pessoas.

Doe sangue e faça parte dessa corrente de solidariedade pela vida

Ser um herói está ao seu alcance!

CAISM recebe visita do secretário estadual de Saúde

Acompanhado pelo reitor Nelson Sass, Jean Gorinchteyn conheceu as dependências do serviço...

Fim do conteúdo da página