Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Os desafios de manter a segurança dos pacientes com a pandemia de Covid-19 e a falta de recursos para os hospitais públicos

Publicado: Segunda, 09 de Maio de 2022, 15h18 | Acessos: 21125

O Brasil precisa repensar o seu Programa de Controle de Infecção Hospitalar

As infecções hospitalares, também chamadas de infecções relacionadas à assistência à saúde (Iras), pois extrapolam os hospitais e envolvem clínicas e demais instituições de saúde, são uma ameaça à segurança do paciente. As Iras estão entre as principais causas de morbidade e de mortalidade nos serviços de saúde e da elevação de custos para o tratamento do doente. Além dos problemas apresentados, existem sérias consequências acarretadas pelas Iras como alterações emocionais e psicológicas para o paciente e toda a família, e a imagem negativa da instituição de saúde onde o paciente adquiriu a infecção.

A Covid-19 e o aumento das taxas de infecção

lavar as mãosA pandemia de Covid-19 intensificou o problema, aumentou as taxas de infecção e da resistência microbiana na maior parte dos hospitais em todo o mundo e, no Brasil, com forte impacto nos hospitais públicos. Crises econômicas por falta de financiamento, agravadas pela sobrecarga assistencial da pandemia de Covid-19, problemas de gestão, falta de profissionais e de insumos fundamentais para promover uma assistência segura como sabão e papel toalha, álcool gel de boa qualidade, antibióticos e equipamentos básicos. Também, muitos dos processos de qualidade assistencial e protocolos de segurança foram perdidos nos últimos dois anos.

Realidade Brasil

Um dos mais graves problemas que atingem os hospitais brasileiros é a emergência de microrganismos resistentes aos antibióticos. Estamos ficando sem alternativas terapêuticas para tratar diversas infecções hospitalares e as opções disponíveis têm custo elevado. O foco principal do controle da resistência microbiana está na prevenção das infecções com intensificação de dois processos: a higiene das mãos e a limpeza e desinfecção do ambiente; e no gerenciamento do uso adequado de antimicrobianos no tratamento das infecções. São raras as instituições brasileiras que promovem trabalho consistente de prevenção da resistência microbiana, incluindo a rede privada.

Datas comemorativas

Particularmente, o mês de maio, nos traz três importantes datas que devemos lembrar:  05 de maio, Dia Mundial da Higiene das Mãos, instituído pela Organização Mundial da Saúde; dia 12 de maio, Dia Mundial da Enfermagem, em homenagem a Florence Nightingale, que nasceu em 12 de maio de 1820, uma lutadora pela segurança do paciente com as práticas de higiene nos hospitais e dia 15 de maio, o Dia Nacional do Controle das Infecções Hospitalares em homenagem a Ignaz Semmelweis (1847) e instituída no Brasil pela Lei nº 11.723/2.008.  

Ignaz Semmelweis (1818 – 1865) descobriu que a incidência de infecção pós-parto poderia ser drasticamente reduzida pela desinfecção das mãos. Pintura de Robert Thom

Há 175 anos atrás, o diretor médico e obstetra Ignaz Semmelweis defendeu a prática de lavar as mãos com hipoclorito de cálcio como uma atitude obrigatória para os médicos e estudantes, em um Hospital Geral de Viena. Semmelweis observou importante redução na taxa de mortalidade das puérperas que desenvolviam sepse puerperal, após a implantação da higiene das mãos. Ele relacionou as mortes das puérperas com as mãos dos médicos e estudantes que eram contaminados por “partículas cadavéricas” na sala onde estudavam peças anatômicas no início das manhãs, antes de irem realizar os partos. Na época, não se conhecia a origem microbiológica das infecções, posteriormente comprovadas por Louis Pasteur, Ferdinand Cohn e Robert Koch.

A higiene das mãos é reconhecida mundialmente, como a medida mais importante na prevenção das infecções. É um dos pilares no controle das infecções hospitalares, incluindo aquelas decorrentes da transmissão cruzada de vírus, bactérias, fungos e microrganismos resistentes aos antibióticos.

Cuidados ainda negligenciados

Infelizmente, em diversos hospitais, existe falta de sensibilidade e apoio administrativo para garantir a aplicação das medidas de prevenção de infecções. Medidas simples, como manter pias em condições de uso com água e sabão, papel toalha de boa qualidade, luvas e higiene do ambiente são negligenciados, bem como, manter a qualidade da água e do ar. A pandemia de Covid-19 nos mostrou a importância da engenharia clínica e dos projetos de arquitetura e de reformas que devem ter como premissas a qualidade e as trocas do ar interior com o ambiente externo e a importância da manutenção dos sistemas de ar-condicionado.

O Brasil precisa repensar o seu Programa de Controle de Infecção Hospitalar. Por um lado, torna-se necessário maior compromisso dos poderes públicos municipais, estaduais e federal, tanto com a administração dos hospitais, visando maior qualidade e segurança da assistência ao paciente, quanto pela aplicação da legislação para implantação de Serviços de Controle e Prevenção de Infecções Hospitalares com profissionais capacitados. De outro lado, é necessário ampliar os programas de formação dos profissionais de prevenção e controle das infecções hospitalares, o que torna mais importante o papel dos hospitais de ensino, principalmente ligados às instituições universitárias.

Os Hospitais Universitários não podem ser vistos apenas como polos de atendimento da demanda, cumprindo metas assistenciais, eles têm uma missão muito mais ampla que é a formação de profissionais altamente qualificados para o país, além da produção de conhecimento. Assim, devem ser financiados para esta missão que envolve assistência de qualidade, ensino e pesquisa.

No atual cenário brasileiro, de grave crise econômica e assistencial, especialmente dos hospitais de atendimento público ligados ao Sistema Único de Saúde, é fundamental valorizar os programas de prevenção e controle de infecção hospitalar, tendo como princípios a Ciência, a ética, a empatia e colocando o paciente como centro da assistência segura.

eduardo medeiros

Eduardo Alexandrino Servolo Medeiros

Professor Associado da Disciplina de Infectologia da Escola Paulista de Medicina EPM/Unifesp e Presidente da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital São Paulo – SPDM - Unifesp. Pesquisador do CNPq e Diretor Científico da Sociedade Paulista de Infectologia (SPI).

 

 

dayana

 

Dayana Fram

Professora Afiliada da Disciplina de Infectologia da Escola Paulista de Medicina EPM/Unifesp e Enfermeira Doutora da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar do Hospital São Paulo – SPDM – Unifesp

 

 

 

Comissão de Epidemiologia Hospitalar – CCIH

Hospital São Paulo – SPDM – Unifesp.

Rua Napoleão de Barros, 715, 1º andar, Vila Clementino, São Paulo - SP, 04024-002

Avaliação do Usuário

Estrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativaEstrela ativa
 
Categoria:

Professora da EPM recebe "Prêmio Lieselotte Ornellas Nutricionista Destaque no Brasil"

Elke Stedefeldt é integrante do Grupo técnico consultivo em segurança dos alimentos da OMS

Outubro Rosa: quanto antes, melhor

O diagnóstico precoce aumenta as chances de cura

Ação Mil Tsurus

Divulgação da Ação Mil Tsurus

Fim do conteúdo da página