Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Unifesp e institutos federais de Goiás desenvolvem lâmpada descontaminadora com luz ultravioleta

Publicado: Sexta, 24 de Abril de 2020, 15h53 | Acessos: 18807

Em fase de testes, o equipamento pode ser eficaz na descontaminação de ambientes com o novo coronavírus

Por Tamires Tavares

Esteira Frame 2

(Imagem: Divulgação)

Desenvolvido por estudantes, professores e profissionais da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), Hospital São Paulo (HSP/HU Unifesp), Instituto Federal de Goiás e Instituto Federal Goiano (Campus Trindade), um sistema para descontaminação utilizando lâmpada UV-C germicida pretende ser testado em ambientes com o novo coronavírus.

Andreya Pereira Furriel, plantonista e preceptora da UTI de Pneumologia do Hospital São Paulo, participou do projeto desde a sua idealização. “Expus a necessidade de algo pra descontaminação de equipamentos – tanto os de proteção individual quanto locais que entrariam em contato com indivíduos com Covid-19. Pensei em uma luminária com raios UV, pois seria portátil. A equipe aprimorou a ideia e construiu uma esteira que teria uma maior velocidade de descontaminação e até mesmo maior segurança aos envolvidos”, conta a profissional.

A esterilização de ambientes hospitalares por luz ultravioleta já ocorre em outros países. Neste projeto, foram utilizadas, na luminária e esteira, lâmpadas de 36W com 254 nanômetros de comprimento de onda. A velocidade de descontaminação foi um aspecto relevante, visando à redução do tempo de exposição dos envolvidos aos raios UV. Em testes anteriores, vírus da mesma família do novo coronavírus foram eliminados em 0,2 segundo e 300 segundos. Para os testes atuais de tempo de eliminação do novo coronavírus, o grupo aguarda a disposição de laboratórios que estão realizando análises de exames de covid-19.

“É uma ideia promissora, principalmente quando pensamos em descontaminação dos equipamentos de proteção individual (EPIs) que, desde o início da pandemia, estão escassos. Além de ser algo que poderá ser usado após passada essa fase”, defende Furriel.

Esteira Frame 1

(Imagem: Divulgação)

 

Estrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativaEstrela inativa
 
Categoria:

Vírus do passado: descoberta em ossos neandertais pode reescrever a história das pandemias

Estudo liderado pelo Centro de Bioinformática Médica da Unifesp revela vírus ancestrais em restos de...

Pesquisadores da Unifesp encontram os vírus humanos mais antigos em ossos de neandertais

Possível causa da extinção dos neandertais? Investigação brasileira conduzida pelo Prof. Marcelo...

Departamento de Psicobiologia testa efeito de medicamento na diminuição do desejo por bebidas alcoólicas

Homens entre 18 e 50 anos que residem na cidade de São Paulo podem participar como voluntários

Comissão EPM 90 anos

Aconteceu na EPM

Fatos que marcaram a EPM no dia 7 de maio: Congregação da Escola Paulista de Medicina Os membros...

Fim do conteúdo da página