Ir direto para menu de acessibilidade.
Início do conteúdo da página

Unifesp integra estudo sobre os efeitos da hidroxicloroquina na possível prevenção de formas moderadas a graves da covid-19

Publicado: Segunda, 27 de Abril de 2020, 10h29 | Acessos: 626

Projeto liderado pela Sociedade Brasileira de Reumatologia avaliará pacientes com doenças reumáticas autoimunes que já utilizam o medicamento

Por Daniel Patini

Hidroxicloroquina Portal

Com o intuito de avaliar os efeitos da hidroxicloroquina na possível prevenção de formas moderadas a graves da covid-19 em pacientes com doenças reumáticas autoimunes que já utilizam o medicamento, a disciplina de Reumatologia da Escola Paulista de Medicina (EPM/Unifesp) - Campus São Paulo integra um estudo multicêntrico nacional, chamado Projeto Mario Pinotti II, liderado pela Sociedade Brasileira de Reumatologia (SBR) e que envolve 20 centros universitários brasileiros de nove estados e do Distrito Federal. 

No total, serão analisados três mil pacientes e seis mil familiares que tiveram contato com esses indivíduos, a fim de se comparar a taxa de infecção entre eles (de moderada a grave). Pela Unifesp, espera-se a participação de mais de 300 pacientes e de estudantes voluntários, os quais entrarão em contato com os participantes sob a orientação dos docentes Edgard Reis, principal investigador da pesquisa na universidade, Marcelo de Medeiros Pinheiro, também coordenador nacional do projeto pela SBR, e Emília Sato. 

O nome do projeto é uma homenagem a Mario Pinotti, médico sanitarista e estudioso da cloroquina para o tratamento da malária, uso original da substância. Atualmente, ela também é administrada em pacientes com as seguintes doenças autoimunes: lúpus, artrite reumatoide, dermatomiosite e Síndrome de Sjogren, principalmente. Porém, não se sabe se essas medicações poderiam influenciar negativamente a infecção e nem se a atividade inflamatória das doenças autoimunes poderia ser considerada como fator de pior prognóstico aos pacientes com covid-19. 

"Até o momento, não têm sido relatados casos graves da covid-19 em pacientes com doenças autoimunes, como previamente esperado, uma vez que são pacientes com grau variável de imunossupressão com o uso de imunossupressores propriamente ditos ou agentes imunobiológicos. Assim, essa observação clínica tem chamado a atenção de reumatologistas sobre um potencial efeito benéfico ou 'protetor' das medicações usadas para o controle de atividade da doença sobre os desfechos da infecção pelo novo coronavírus (Sars-CoV-2)", relata Pinheiro.

Categoria:

Elisaldo Carlini, pesquisador da EPM/Unifesp é citado pelo New York Times

Pesquisa com o composto CBD nos anos 70, revela convulsões reprimidas Considerado um dos maiores...

Bebês de Risco em Saúde Mental

Por Vera Blondina Zimmermann Nas últimas décadas, concomitante ao avanço das neurociências,...

Curso Extensão em Diagnóstico e Manejo da Tuberculose na Atenção Básica

Inscrições: CLIQUE AQUI   Apresentação   Apresenta, com base nos protocolos e planos do Programa Nacional de Controle da...

Unifesp participará de teste de vacina para covid-19 desenvolvida por Oxford

Brasil é o primeiro país a iniciar testes fora do Reino Unido, com o apoio da Fundação Lemann...

Fim do conteúdo da página